Projeto Batuque de Umbigada movimentou o mês de maio


batuque-umbigada

Durante o mês de maio o projeto de extensão “Batuque de Umbigada: ritmo, história, memória, resistência e identidade cultural” desenvolveu ações muito interessantes que repercutiram positivamente tanto na comunidade escolar do Campus Capivari quanto para a própria comunidade Batuqueira.

Reunião com o Prefeito Rodrigo Proença

batuque-umbigada-reuniao-prefeito-rodrigo-proencaNo dia 19 de maio de 2015 o prefeito de Capivari Rodrigo Proença, realizou uma visita ao campus, para a apresentação do projeto “Batuque de Umbigada: ritmo, história, memória, resistência e identidade cultural”, a fim de constituir uma parceria entre o IFSP e a prefeitura, facilitando ações conjuntas.

Roda de Conversa com Nori Figueiredo: “O que podemos fazer pelo Batuque?”

No dia 26/05/2015, também no Campus Capivari, aconteceu a Roda de Conversa com Nori Figueiredo com o objetivo de iniciar uma discussão coletiva a respeito das mudanças vividas pelo Batuque de Umbigada. Essa atividade também foi concebida com a intenção de formalizar um primeiro momento que possa ser caracterizado como o de um despertar para a educação patrimonial dos jovens estudantes. Intitulada “O que podemos fazer pelo Batuque?” , a conversa contou com a presença de membros da comunidade Batuqueira como Dona Marta Joana da Silva, Sr. Marcos Caxias, Senhora Rosangela Caxias e também com alunos, e professores.

roda-conversa-nori-2

Nori Figueiredo, artista plástico, doutorando em Artes (Unicamp) e ex Diretor de Patrimô¬nio Cultural ligado à Secretaria de Cultura, Lazer Turismo de Capivari, conversou sobre as possibilidades e dificuldades de se estabelecer políticas culturais que apoiem a manifestação cultural tradicional local, não apenas por ela ser viva, dinâmica, não estanque, sofrendo influências das várias conjunturas sociais e midiáticas que afetam o mundo contemporâneo mas também pelo forte preconceito sofrido pelas culturas de matriz africana. roda-conversa-nori-1No entanto, essa tendência tende a diminuir a medida que se abram espaços para apreciação e conscientização do valor da arte e do modo de vida que o Batuque de Umbigada preserva. Dentre os temas levantados pelos alunos, tratou-se da história dos instrumentos percursivos o (tambu, o quingengue e o guaiá) seu modo de fabricação, as ritualidades e sonoridade envolvidas na construção musical do Batuque.

roda-conversa-nori-3

28 de maio : Brincando de Batuque – Oficina de dança e roda de conversa

Com a presença das Batuqueiras Marta Joana da Silva  e Tereza  Toledo,  foram realizadas Roda de Conversa e Oficina de Dança no dia 28 de maio. Esse encontro se tornou uma rica oportunidade na qual saberes tradicionais guardados pelo Batuque de Umbigada foram compartilhados. Além disso, vários aspectos sobre a dança e seus rituais puderam ser desmistificados a partir da grande interesse e protagonismo dos alunos que lançaram várias perguntas a Dona Marta e Dona Tereza.  Mas foi a socialização entre todos os presentes a partir do clima de amizade, respeito e tolerância que as oficineiras desenvolveram que puderam fazer dessa Brincadeira uma experiência de vida e trocas mediadas pelo ritmo, pela história e pelos corpos brincantes.

1 Comentário  »

  1. Luciana Lima says:

    Parabéns ao coletivo pelo trabalho vamos seguindo com mais ações

RSS para os comentários desta matéria, TrackBack URI

Deixe um Comentário